Cannes 2018: John David Washington na montanha-russa emocional de BlackKkKlansman de Spike Lee

John David Washington em 'BlacKkKlansman'

Em 'BlacKkKlansman', de Spike Lee, que estreou em competição aqui em Cannes, parte da dificuldade de interpretar Ron Stallworth é que Stallworth, um policial disfarçado, muitas vezes é um ator, interpretando papéis diferentes para pessoas diferentes.

O filme mostra como Stallworth, o primeiro policial afro-americano em Colorado Springs, lançou uma investigação secreta sobre a Ku Klux Klan. Para seus colegas policiais, ele é um novato cuja ambição pode exceder suas habilidades. Para os ativistas dos direitos civis, ele é um apologista da polícia. E quando ele está falando com membros da Klan pelo telefone – sua raça oculta – ele é visto com suspeita.

Às vezes, esses mundos colidem. Em uma cena inicial, Stallworth (John David Washington) é designado para se disfarçar para relatar ao seu chefe de polícia um discurso de Kwame Ture (anteriormente Stokely Carmichael, o ativista creditado por cunhar a frase 'poder negro'). Durante o discurso de Ture, Stallworth é ao mesmo tempo galvanizado pelas palavras e conscientemente se segurando, sabendo que ele está lá não para se reunir com a multidão, mas para espioná-la.



Em um terraço no Palais em Cannes na quarta-feira, Washington - um ex-jogador de futebol profissional, uma estrela de 'Ballers' da HBO e um filho de Denzel Washington — lembrou a tensão de entrar no lugar de Stallworth naquela cena.

'Na vida real, naquele dia, Corey Hawkins '—o ator que interpreta Ture—'o que ele fez com esse papel foi tão transformador', disse Washington. 'Essas foram reações reais minhas. Eu realmente fiquei emocionado com o que ele estava fazendo, e isso afetou o personagem.'

No filme, enquanto ainda esconde sua identidade como policial, Stallworth se aproxima de um romance com um ativista estudantil ( Laura Harrier ) que se irrita com o tratamento 'porco' dos afro-americanos. Stallworth, como um oficial negro que acredita estar combatendo o racismo por dentro, dividiu lealdades.

Washington discutiu a tentativa de desvendar as motivações de seu personagem. 'Existem diferentes tipos de apoio para o seu povo', explicou. 'Justiça, era isso que ele defendia.'

Ele acrescentou: 'Como atuar, o trabalho de detetive disfarçado exige muito desempenho. Há apenas mais pressão porque são situações de vida ou morte'.

O verdadeiro Ron Stallworth falou sobre isso quando os dois conversaram. 'Ele continuou dizendo: 'Eu também sou ator', basicamente', disse Washington.

'Alguns de seus movimentos foram motivados por emoções, mas ele ainda conseguiu ficar calmo, calmo e sereno e fazer seu trabalho', disse ele. No filme e na vida, disse Washington, Stallworth conversava com membros da Klan por telefone enquanto um policial branco (interpretado por Adam Driver no filme), fingindo ser Stallworth, se encontraria com eles pessoalmente.

Em 'BlacKkKlansman', à medida que Stallworth se aprofunda na investigação, ele se infiltra nos níveis mais altos da Klan. Washington descreve as conversas telefônicas que ele compartilhou com Topher Grace (que interpreta o líder da Klan David Duke) como uma 'montanha-russa emocional'. Eles jogam assim também. Observá-los é ficar horrorizado com a retórica cheia de ódio de Duke, rir do fato de Duke não perceber que está sendo enganado e ficar incrédulo que essas cenas sejam baseadas na vida real.

Entrar no estado de espírito para essas cenas de conversas telefônicas, disse Washington, era uma questão de pensar em como Stallworth havia feito isso. 'Eu pensei - o ator John David pensou - 'Esta é a missão. Eu tenho que ganhar sua confiança'', disse ele.

Embora 'BlacKkKlansman' pareça destinado a ser um papel de destaque para Washington, ele não é novo em trabalhar com Lee: ele tem memórias vívidas de infância de desempenhar um pequeno papel em ' Malcolm X ' (1992) e fazendo cinco ou seis takes para 'Uncle Spike'.

Washington disse que não entrou em contato com o diretor recentemente quando Lee lhe enviou uma mensagem sobre o papel. (Ele nem tem certeza de como conseguiu o número. Ele disse que não sabia se seu pai, que ainda não viu o filme, tinha algo a ver com isso.)

Interpretar um personagem dos anos 70 também significava mergulhar na cultura pop da época. 'O que realmente foi mais importante para mim, ou mais influente, foi a música', disse Washington. 'Eu tinha uma lista de reprodução séria, como uma lista de reprodução de 400 músicas de todos os anos 70. Essa foi basicamente minha trilha sonora para a vida ao longo desta jornada. Isso realmente inspirou até a maneira como eu me movi.'