Conversas com amigos

“Normal People” do Hulu foi um dos maiores sucessos da plataforma nos primeiros meses de 2020, justamente quando a pandemia do COVID-19 nos forçou a entrar e nos fez ansiar por uma doce distração. E logo após esse sucesso, o Hulu e a BBC deram luz verde e co-produziram outra adaptação de um romance de Sally Rooney, Conversas com amigos , para continuar alimentando o desejo de seu público por irlandeses tristes e excitados e as ruminações melancólicas sobre a natureza do amor precoce. Por que vale a pena, “Conversas com Amigos” mantém o mesmo ar pensativo e contemplativo de sua série irmã, embora seu caminho pelas complexidades sinuosas do romance no mundo moderno seja decididamente mais complicado (e, aos poucos, menos envolvente).

Baseado no romance de estreia de Rooney ( Pessoas normais foi seu segundo), “Conversas com Amigos” nos coloca de volta ao campus do Trinity College Dublin, desta vez nos selando com perpétua Wallflower Frances ( Alisson Oliver , um graduado da Lir Academy assim como o de 'Normal People' Paulo Mescal ). Uma aspirante a escritora de uma família pobre – seus pais são divorciados, seu pai um alcoólatra de baixo funcionamento – ela é o tipo de pessoa que prefere manter o mundo à distância do que correr o risco de se machucar ao se envolver com ele. Sua melhor amiga é Bobbi ( Sasha Lane ), um americano impetuoso e teimoso que por acaso namorou Frances há três anos; eles terminaram as coisas amigavelmente, mas o espectro de seu relacionamento permanece, carregado em cada interação e poesia falada conjunta que eles apresentam em Dublin.

Mas as coisas aumentam para os dois quando são abordados em um de seus shows por Melissa ( Jemima Kirke ), uma escritora mais velha que se vê atraída por eles. Ela é popular, estabelecida e casada com Nick ( Joe Alwyn ), um ator arrojado, mas taciturno. Frances é imediatamente atraída para o último, e antes que você possa dizer “Nós vimos você do outro lado do bar e gostamos de sua vibração”, Frances e Nick estão envolvidos em um caso ilícito que ameaça abrir o coração de Frances e danificar irrevogavelmente seus amigos. relacionamentos com Melissa e Bobbi.



Esse é o grande impulso dos 12 episódios de meia hora de “Conversas com Amigos”, muitos dos quais são dirigidos pelo diretor/EP de “Normal People”. Lenny Abrahamson (“ Quarto '). E de muitas maneiras, parece uma repetição dos mesmos tropos e preocupações temáticas da série anterior. Há o relacionamento fumegante que deve ser mantido em segredo por causa dos sentimentos de outras pessoas; cenas de amor que parecem ternas e honestas, mesmo nos desastrados francos de seus participantes; as maneiras pelas quais as inseguranças pessoais podem sangrar na forma como tratamos os outros. A aventura de Frances com Nick também é a primeira vez que ela está com um homem (ela é bissexual), então compartilha o fascínio do outro livro com os sentimentos conflitantes do primeiro amor.

O grande problema, então, está em seu ritmo, que é um pouco bucólico demais para lidar com o que é, em sua essência, um material pouco inovador. Já vimos a mecânica e o ritmo desse tipo de história antes: a mentira, a trapaça, o narcisismo envolvido em acreditar que seus história será diferente de todos os outros assuntos ao longo da história. Conversas de texto furtivas estabelecem os termos de seu relacionamento; os dois se encontram, dormem juntos, se preocupam com o que seus amigos/cônjuges podem pensar; enxaguar, repetir. Onde “Normal People” mostra o impacto devastador do primeiro amor monogâmico, “Conversations with Friends”’ manipula uma dinâmica de poder – homem mais rico e casado em um caso com um jovem estudante universitário – já vimos antes, e não de uma maneira que abre muitas novas camadas.

As performances sonolentas também não ajudam. Oliver é reconhecidamente um tremendo talento, e ela constrói camadas de complexidade dentro do narcisismo de Frances, o que a transforma de inocente em uma bola de demolição emocional ao longo da série. As obras de Rooney geralmente giram em torno de jovens protagonistas irlandeses cuja passividade esconde uma espécie de inação egocêntrica, e isso se confirma na timidez cuidadosamente calibrada de Frances. “Eu não acho que você acha que qualquer outra pessoa é real”, Bobbi cospe para ela no final da série, e ela não está errada; Frances, através do desempenho profundamente honesto de Oliver, evidencia o modo como estamos todos envolvidos em nós mesmos quando somos jovens, perseguindo sentimentos e condenando as consequências. É uma estreia sólida, borbulhando de alegria orgástica e dor agonizante (emocional e física, no caso de um problema recorrente de saúde reprodutiva que de repente coloca sua aventura em perspectiva).

Mas suas cenas com Alwyn (principalmente operando com uma espécie de passividade murmurada) não brilham tanto quanto fracassam, diálogos passando por melodias irlandesas sussurradas com todo o volume de um sussurro de palco. (Não ajuda que a maioria dos problemas reais de Nick, os que envolvem depressão e seus problemas de casamento com Melissa, sejam contados a Frances por outros personagens em vez de mostrados.) E além de algumas fascinantes idas e vindas com Frances em no último quarto do show, Kirke tem muito pouco a fazer como 'a esposa'. Na sequência do Mescal e Daisy Edgar Jones ’ química melancólica em “Normal People”, fica um pouco aquém.

Realmente, é Lane quem mais impressiona aqui, sua Bobbi injetando um pouco de caos bem-vindo no mar de repressão irlandesa ao seu redor. Ela é sincera e sem medo de mexer o pote, uma feminista impetuosa que vê pouca utilidade para o patriarcado e os homens em geral; sua antipatia por Nick é tanto alimentada por sua possessividade por Frances quanto por seu desdém por sua vida 'chata' e normal. Mas sua dinâmica com Oliver pinga com desejo não correspondido, o tipo de eletricidade zumbido que mantém entre ex que escolheram ficar na vida um do outro.

Frustrantemente, “Conversas com Amigos” ameaça se tornar muito mais interessante em seu ato final, já que o encontro secreto de Nick e Frances se torna um pouco menos secreto, e o programa se aprofunda mais na ética da não-monogamia. Nick quer Frances, mas quer continuar casado com Melanie; Melanie traiu no passado e luta para 'ficar bem' com Frances na foto. Bobbi aprecia seus flertes com Melissa, mas se sente leal a Frances. A lista continua, e todos ficam com o coração partido de uma ou mais maneiras antes dos créditos finais rolarem.

A força do livro de Rooney está em como ele explora as ondulações que nossos primeiros relacionamentos podem ter no resto de nossas vidas, criando laços que perduram mesmo depois que o romance não. É uma pena que “Conversas com Amigos” só ameace nos mostrar algo novo nos últimos três ou quatro episódios, quando tivemos que esperar quatro horas de sua apresentação muito nebulosa (a direção de Abrahamson é impactante, mas obediente) para chegar lá. Claro, a trilha sonora tem tantos bops quanto “Normal People” – Phoebe Bridgers até contribui com algumas faixas, incluindo um novo original chamado “Sidelines”. Mas à medida que as conversas avançam, esse é o tipo de bate-papo em que você desliga os outros na mesa, esperando sua vez de falar.

A íntegra de “Conversations With Friends” vai ao ar no Hulu no domingo, 15 de maio. Série inteira selecionada para revisão.