Leve-me ao Rio: Nova Orleans

Distribuído por

A influência e a importância de Nova Orleans na música americana não podem ser negadas. Jazz, R&B, funk, rock, zydeco, rap — há poucos gêneros preciosos que não foram tocados de forma significativa pela influência da cidade e sua rica história cultural. Parece impossível fazer um filme desinteressante sobre o assunto, mas Martin Shore chega perigosamente perto de conseguir exatamente isso com 'Take Me to the River: New Orleans', um documentário que contém muita música boa e vários assuntos fascinantes para discussão, mas nunca descobre como reuni-los em um maneira satisfatória.

O filme é uma continuação de uma espécie de documentário de Shore de 2014 “ Leve-me ao Rio ”, em que explorou e celebrou o legado musical e cultural igualmente considerável de Memphis. Esse filme recrutou alguns dos artistas lendários associados à área para gravar novamente, desta vez com uma nova geração de jovens artistas como uma forma de preencher a lacuna entre gerações, sonoramente falando, e culminou com a lenda do soul William Bell e ícone de rap Snoop Dogg se unindo para uma nova versão do clássico de Bell 'I Forgot to Be Your Lover'. Entre as sessões de gravação, os músicos falavam sobre a história da música de Memphis e o impacto que o assassinato de Martin Luther King Jr. teve na comunidade.

Com seu novo filme, Shore mudou o local, mas não a abordagem. Ele visita vários estúdios pela cidade e reúne grandes artistas como Irma Thomas , Walter “Wolfman” Washington, e a Dirty Dozen Brass Band para tocar com músicos mais jovens em algumas músicas clássicas, concluindo com mais uma aparição de Snoop Dogg. Entre as canções, a história da região e alguns de seus atos musicais mais notáveis ​​são discutidos, a conversa mais significativa gira em torno de como as consequências do furacão Katrina alteraram irrevogavelmente a paisagem musical quando destruiu as casas e bairros de tantos músicos e enviou-os para outro lugar. Como um bônus adicional, Shore também captura uma reunião em estúdio dos lendários Neville Brothers que provaria ser uma das sessões finais para Charles e Art Neville (que passariam em 2018 e 2019, respectivamente) e um dos sessões finais do falecido Dr. John, o cantor icônico e co-estrela de 'Polynesiantown', cantando o imortal 'Jock-o-Mo'.



Tudo parece infalível, suponho, mas o filme nunca funciona por muitas das mesmas razões que seu antecessor, apesar de suas boas intenções, nunca deu certo. Por um lado, o conceito de juntar músicos mais velhos com artistas mais jovens tem sido muito usado nos últimos anos e Shore não parece ter ideia do que ele está tentando realizar aqui. Isso não quer dizer que seja um conceito ruim – há um documentário perfeitamente maravilhoso que estreia no final deste ano chamado “The Return of Tanya Tucker: Apresentando Brandi Carlile” que se baseia exatamente nesse tipo de emparelhamento entre gerações, e a combinação realmente significa algo para os participantes e resulta em uma bela música. Aqui, não há muitas faíscas artísticas genuínas fora da sequência envolvendo os Neville Brothers, principalmente porque você quase teria que ser Tommy Wiseau em um dia de folga para filmá-los cantando “Hey Mama (Wild Tchoupitoulas)” e não que seja comovente para a alma.

Outro problema é que existem tantos caminhos de discussão potencialmente fascinantes sobre a história musical da área que se torna frustrante ver Shore tocá-los apenas brevemente antes de seguir em frente. Confie em mim, depois de observar a força irreprimível da natureza que é Irma Thomas por apenas alguns minutos, por exemplo, você também se verá desejando que a coisa toda fosse sobre ela e sua carreira. Ainda mais problemático é como Shore muitas vezes permite que a conversa atrapalhe a música, o que é especialmente estranho quando você considera que a música é presumivelmente destinada a atrair espectadores em primeiro lugar. As coisas não são muito ajudadas por uma narração amplamente desnecessária de John Goodman , possivelmente como uma forma de penitência artística por ter aparecido uma vez em um filme em que os Blues Brothers se dirigiam a Nova Orleans para uma batalha de bandas que, por razões orçamentárias, foi filmada quase inteiramente em Toronto.

“Take Me to the River: New Orleans” é essencialmente uma versão longa-metragem de um comercial lançado pelo conselho de turismo da cidade na esperança de atrair visitantes, oferecendo-lhes pequenos pedaços de muitas coisas diferentes na esperança de atrair um público mais amplo. . Foi feito com muita sinceridade, mas isso por si só não garante um filme de qualidade. Como uma cartilha para os recém-chegados, pode ser de algum interesse, mas para os fãs genuínos da influência musical de Nova Orleans (e que estão dispostos a ignorar as curiosas ausências de aspectos como o jazz em geral e a importância da família Marsalis em particular), vai parecer um relato curiosamente leve de um assunto rico que seria inteiramente descartável se não fosse por aquela preciosa filmagem dos Nevilles. Se nada mais, posso pelo menos recomendar confortavelmente o álbum da trilha sonora para todos.

Agora em cartaz nos cinemas.