para filho

O longa de estreia do afiado cineasta tunisino Mehdi Barsaoui , “ O filho ” começa com uma representação do mundo árabe que parece deliberadamente projetada para contrariar os preconceitos dos espectadores ocidentais. Reunidos para um piquenique, alguns tunisianos cosmopolitas riem, bebem cerveja, contam piadas sujas (certificando-se de que as crianças estão fora do alcance dos ouvidos) e especulam sobre política. É outono de 2011, menos de um ano após a democratização daquele país, e a vida social está mais frouxa do que costumava ser.

Mas as coisas ainda são perigosas. Após o passeio, Fares ( Sami Bouajila , carismática e lenta), esposa Meriam ( Najla Ben Abdallah , Boujilla é igual em carisma em um papel que é mais carregado, a seu modo) e seu filho Aziz ( Youssef Khemiri ) dirija-se para um fim de semana em Tatouine. Na estrada à tarde, o carro deles é emboscado por terroristas e Aziz fica gravemente ferido. Ele vai precisar de um transplante de fígado se quiser viver.

E agora os destroços do passado vêm chamando: o casamento aparentemente feliz de Fares e Meriam, dois profissionais de muito sucesso, nem sempre foi tão feliz quanto o que vimos. Ambos se desviaram anos atrás, e agora Meriam descobre que Fares não é o pai biológico de Aziz. Seu fígado não serve para uma doação parcial. E Meriam é do tipo sanguíneo errado.



O estranhamento que se segue a essa revelação divide a narrativa. Meriam procura desesperadamente pela antiga paixão que é o pai biológico de Aziz. E Tarifas...

Pois bem, Fares é abordado por um homem que parece estar, como ele, esperando notícias de um paciente no hospital. Anunciado apenas como “O Empresário” nos créditos, e interpretado por um Slah M'sadak muito sutil, ele inicialmente conversa com Fares. “Este país está ferrado” é uma de suas jogadas iniciais. Eventualmente, ele desce aos casos. Por 150.000 dinares (cerca de 50.000 dólares), Aziz ganha um novo fígado.

O Empresário atrai Fares para sua teia aos poucos. Ele mostra a ele uma instalação de última geração. Ele mente, elaboradamente, de onde os órgãos vêm. Ele apresenta a si mesmo e à organização que representa como benfeitores. E Fares, por orgulho (ferido ou não), auto-ilusão e outros defeitos de caráter que às vezes se manifestam de forma particularmente devastadora nos homens, acaba fazendo um pacto com o diabo.

Se ele pode se livrar disso é uma questão que precisa ser abordada no último terço do filme. Enquanto “A Son” tem parábolas alegóricas com a evolução política não apenas da Tunísia, mas de toda a região do MENA, a atuação de primeira classe, os ambientes muito credíveis e a direção direta e firme como um tambor o fazem vibrar com um franqueza que poucos filmes de problemas sociais podem reunir.

Agora em exibição em alguns cinemas.