R.L. Stine em Goosebumps: Halloween assombrado, a conexão entre humor e horror e mais

R.L. Stine é o autor de ' Arrepio ,' uma série de livros perdendo apenas para Harry Potter em onipresença, com mais de 400 milhões vendidos em todo o mundo. Stine viu suas histórias assustadoras, mas não muito assustadoras para pré-adolescentes, transformadas em uma série de televisão, uma atração de parque temático, jogos de tabuleiro e mercadorias que vão de sangue falso a boxers que brilham no escuro, e agora um segundo filme, “Goosebumps: Haunted Halloween”, agora disponível em digital, DVD, Blu-Ray e 4K.

Em entrevista com RogerEbert.com , ele falou sobre a inspiração para seu personagem recorrente mais popular, um filme britânico de 1948, a cena do filme que ambos concordamos ser o destaque, e sobre a conexão entre horror e humor.



No filme, há personagens que podemos pensar como monstros tradicionais como fantasmas, ou inerentemente assustadores como a aranha roxa gigante, e personagens que são comuns ou adoráveis, mas se tornam assustadores, como os ursinhos de goma. O que é mais assustador?

Eu sempre iria para adorável. Eu iria para o comum e adorável. Essa é a minha cena favorita do filme.

Meu também!

Eu amo essa ideia. Eu simplesmente amo isso. Quem pensaria que você poderia pegar ursinhos de goma e transformá-los em monstros!

Aparentemente você faria.

Oh, não, alguém escreveu isso para o filme. não fui eu. Mas eu amo essa ideia. Você não começa com monstros e esquisitices e um castelo na Europa medieval. Você sempre começa no quintal das crianças ou no porão, ou na mesa da cozinha. É muito mais assustador para as crianças se for algo que elas possam ver e se relacionar e começar bem em sua própria casa. É por isso que nunca coloquei um livro de Goosebumps em Nova York. Porque a maioria das crianças não consegue imaginar a cidade de Nova York. Eu tento manter tudo normal.

A ideia de uma história de Goosebumps ambientada no Halloween é quase perfeita demais.

Eles queriam fazer um filme de Halloween. Fizemos máscaras assombradas, jack o'lanterns assombrados, fizemos fantasias assombradas. Então porque não fazer tudo! Por que não explodir todo o Halloween!

Quem tem mais medo, as crianças que lêem seus livros ou os personagens infantis dos livros?

Oh, as crianças nos livros estão muito mais assustadas! Os livros não são tão assustadores. Eles são muito mais provocadores e também são engraçados. Eu não acho que os leitores estão tão assustados, mas as crianças do livro têm coisas horríveis e aterrorizantes para se preocupar e os pais são inúteis, então as crianças estão por conta própria. Eles não estão lá ou não acreditam nas crianças, então as crianças têm que resolver as coisas por conta própria.

Li que sua esposa é sua editora.

Sim, sou casada com meu editor. Sério. Na verdade, ela é paga para ser minha editora. É um pesadelo! As únicas coisas pelas quais brigamos são as tramas. Eu sempre digo: “Jane, o próximo livro fará sentido”. Mas eu não me afasto disso.

Quem está certo com mais frequência?

Eu nunca estive certo. É verdade. Estamos casados ​​há mais de 40 anos e nunca ganhei uma aposta.

Você disse que humor e horror estão relacionados. Como é isso?

É a mesma reação visceral. Quando você se esgueira atrás de alguém e diz “Boo!” primeiro eles suspiram e depois riem. São como dois lados da mesma reação. Eu uso muito o humor. E eu nunca quis ser assustadora. Eu nunca planejei ser o cara assustador. Eu sempre quis ser engraçado. E então eu uso o humor para equilibrar isso. Se eu acho que uma cena está ficando muito assustadora, eu coloco algo engraçado.

Este filme apresenta seu personagem recorrente mais popular, Slappy, o boneco do ventríloquo que ganha vida. Ele me lembra a cena do filme de terror britânico de 1947, “Dead of Night”.

Você é a primeira pessoa que me perguntou sobre esse filme e foi daí que surgiu a ideia de Slappy. Eu vi aquele boneco ganhar vida e isso ficou comigo. E então houve um episódio de 'Twilight Zone' e o William Goldman livro e filme, “Magia”. A reação foi uma surpresa para mim. As pessoas escrevem para mim: “Estou com medo de bonecas, agora”, e eu realmente não entendo. Por que ter medo de uma boneca? Mas eu fiz 14 livros sobre ele e estou trabalhando em um agora chamado O boneco encontra a múmia .

Eu entendo que você é um fã de ópera.

Sim, vou à ópera esta noite, para ver “Otello”. Eu sei que meus leitores pensam que só estou interessado em terror. Mas eu moro em Nova York! Eu vou ao balé! Eles ficam horrorizados ao ouvir isso!

Acho que eles gostam de imaginar você vivendo em uma mansão gótica assustadora, comendo escorpiões.

Ah, eu faço isso!